Enter your keyword

Considerações sobre a Contribuição Consciente em 2017

Olá amigos!

Gostaríamos de partilhar algumas considerações sobre o momento do espaço, especialmente sobre a situação econômica e as contribuições, bem como apresentarmos as novas faixas de valor sugeridas:

Como a maioria de vocês deve saber, há alguns meses adotamos a contribuição consciente, como forma de custeio de parte das atividades do espaço, em especial para as aulas de yoga.

Foi uma iniciativa bastante celebrada por nós e por diversas pessoas, que trouxe boa visibilidade, interesse e simpatia pelo espaço.

Concomitantemente a isso, partimos para uma expansão, com locação de novas de salas, contratação de novos funcionários, acrescentamos mais horários e fizemos bastantes investimentos estruturais.

Embora estejamos felizes com o momento do espaço e o maior movimento gerado, percebemos que alguns ajustes são necessários. Especialmente com relação à contribuição consciente, como já prevíamos, essa mudança grande de paradigma exige um cuidado, avaliação e trocas constantes entre todos nós, para que essa iniciativa cumpra bem os seus objetivos, com equilíbrio e prosperidade.

Tendo em vista esse contexto, uma questão bem importante que precisamos partilhar é que, até agora, ainda não conseguimos ajustar nossas contas, ou seja, o espaço ainda está deficitário, custando mais do que arrecada. Embora recomecem algumas atividades que estavam em férias e o movimento aumente após o carnaval, neste mês nossos aluguéis subirão muito, o que nos preocupa bastante quanto à manutenção de nossa atual estrutura.

Estamos já com um fluxo bem razoável de alunos, especialmente à noite. No horário das 19 horas, em algumas aulas a sala tem chegado num limite de lotação, causando até alguns desconfortos, o que talvez nos leve a ter que repensar a frequência livre ou fazer ajustes para melhor distribuição dos alunos nas aulas.

Porém, mesmo ante a uma frequência bem maior, como dissemos, o valor arrecadado ainda não está suficiente e os instrutores também não estão sendo remunerados adequadamente e corremos o risco de perder alguns deles, caso não possamos pagar valores mais justos.

Em verdade, caso não consigamos ajustar nossas contas em breve, teremos que rever nossa forma de contribuição e, talvez, até dar alguns passos para trás no projeto, por exemplo, desocupando os novos espaços e reduzindo o quadro de funcionários e aulas, o que realmente não gostaríamos de ter que fazer.

Vale dizer ainda que precisamos investir em coisas urgentes, como novos mats e equipamentos para a sala de atendimentos. E a ideia é, assim que possível, investirmos ainda mais na estrutura do espaço para torna-lo cada vez melhor para todos nós.

Com relação à contribuição dos alunos, a fim de dar um parâmetro, fizemos um estudo do valor médio de algumas boas escolas de yoga em São Paulo, que segue abaixo:

Média de Valores das Escolas de Yoga

1x semana 2x semana 3x semana Livre
R$ 218 R$ 293 R$ 381,2 R$ 532,5

*Pesquisados: Nataraja, Narayana, My Yoga, Yoga Flow, Shivalaya, GAM, Ganesh, UNA, Aruna

 

 

Embora não queiramos nos pautar pelos valores do mercado das escolas de yoga, vemos que o valor médio que recebemos tem sido bastante inferior à mensalidade dos outros espaços.

Dessa forma, tendo em vista o exposto acima, decidimos trabalhar com novas sugestões de faixa de contribuição, dando mais algumas referências para a escolha:

Ganesha (aquele que abre os caminhos e remove obstáculos): R$ 170 (básico mensal) / R$ 150 (trimestral)* – valor indicado para estudantes, estagiários, pessoas em dificuldade financeira ou com orçamento mais reduzido e/ou que participam de poucas aulas. Garante o funcionamento da estrutura mínima do espaço;

Vishnu (o mantenedor, harmonizador): R$ 200 – valor indicado para quem tem uma frequência média nas aulas, que permite a manutenção do espaço e uma remuneração média aos instrutores; 

Hanuman (o devoto perfeito): R$ 250 – valor indicado a quem tem frequência média e/ou uma certa estabilidade financeira. Garante, além do funcionamento do espaço, uma remuneração razoável aos instrutores e também o investimento em melhorias para o espaço.

Lakshimi (a prosperidade, abundância) R$ 350 – contribuição indicada para quem tem uma situação financeira estável e/ou frequenta bastante as aulas. Garante o funcionamento do espaço, uma remuneração que auxilie o aprimoramento dos instrutores, o investimento em melhorias para o espaço e a possibilidade de acesso a quem tem menos recursos.

* Sugerimos que na medida do possível sejam feitos planos: bimestrais, trimestrais, semestrais etc. para facilitar nosso trabalho da secretaria, trazer mais previsibilidade e fortalecer o comprometimento com a prática

Lembrando que as faixas são apenas referências, podendo ser feita qualquer contribuição em valores diferentes dos sugeridos

Vimos compartilhar essa situação e sugerir novos valores para que todos fiquem cientes da situação e que possamos juntos nos co-responsabilizar em tornar o espaço sustentável. Importante ficar claro que não estamos simplesmente subindo o preço ou excluindo quem não está podendo pagar os valores sugeridos. Continuamos com o objetivo de acessibilidade e também abertos para outras formas de contribuição além da financeira. Idéias e iniciativas no sentido de auxiliar na nossa capitalização e nos serviços que precisamos são bem-vindas.

Para nós o yoga (o autodesenvolvimento de forma mais ampla) não é apenas mais uma atividade física ou mais uma atividade que cada um tem dentre tantas outras e esperamos que não seja pra vocês também. O que entendemos ser importante é que a partir do que trouxemos todos reflitam sobre a sua atual contribuição e possam fazer uma escolha realmente consciente, baseada no coração e não no velho paradigma da escassez e do ganha-perde. Uma pergunta que pode ajudar a definir sua contribuição é:  “quão importante é esta atividade na minha vida e o quanto ela agrega em diversos níveis?” Importante considerar que seu investimento realmente faz parte de sua prática de yoga.

Gostaríamos de relembrar que a idéia da contribuição consciente não é de se poder pagar um  valor mínimo por aquilo que se pretende obter. Embora queiramos que o valor não seja um impeditivo, não queremos que o Vajra seja mais procurado por ser barato, mas sim pela qualidade do que oferece e pela verdade que transmite. E que seja valorizado por isso das mais diversas formas, inclusive pela remuneração.

Em breve apresentaremos todos os custos do espaço, deixando isso sempre visível, para que haja cada vez mais clareza e transparência nessa relação financeira.

Agradecemos por sua atenção e compreensão e estamos abertos a opiniões e sugestões.

Temos muitos projetos especiais para os próximos tempos que serão anunciados assim que se tornarem viáveis.

Namaste!